Fanfics fofissimas do Percy e da Annabeth!

Oi,povo feliz!!
Eu achei um site muito MARA,que tem uma eternidade de fanfics da série do Percy. Bom,eu escolhi duas para postar aqui...é obvio que são românticas,espero que vocês gostem!!


Eu te amo, Cabeça de Alga.

Estávamos eu, Annabeth e Grover, sentados embaixo da sombra da árvore de Thalia.
Até que Quíron anunciou que havia enchilada de queijo na cantina. Então logo estávamos só eu e Annabeth.
Ficamos quietos por um bom tempo. Então eu percebi que uma pergunta me incomodava fazia tempo. Quer dizer, não que eu estivesse com ciúmes. Eu acho.
-Annabeth, hum, você… ainda gosta do Luke ?
Então ela me fitou. Por um momento, achei que eu a tinha feito ficar triste, porque ela ainda gostava de um traidor que queria destruir o Olimpo. Mas então ela disse:
-Não, Percy. Na verdade, eu… gosto de você. Tipo, gosto mesmo. Eu…
Enquanto ela dizia isso, eu percebi… Cara, como os olhos dela eram lindos. Maravilhosos. Perfeitos. Eu estava completamente perdido nos olhos dela. Até que ela disse duas palavras que me fizeram voltar à realidade, e, ao mesmo tempo, fazer parecer que eu estava sonhando.
- … Amo você.
Fiquei completamente confuso. Quer dizer, eu sabia que ela gostava um pouco de mim, depois do beijo que ela me deu, mas, tipo, não pra valer. Mas então eu percebi que também amava ela. Muito. Eu abri a boca pra falar isso, mas então ela espremeu os olhos para evitar as lágrimas e disse:
-Mas você gosta da Rachel, não é ? Você ama ela ? – Então abriu os olhos, algumas lágrimas escorriam por suas bochechas.
Fiquei muito bolado comigo mesmo. Quer dizer, eu gostava da Rachel, mas só como amiga. Ela era uma pessoa com quem se podia conversar, e que me escutava. Hum, não que Annabeth não fosse assim.
Sem saber o que dizer, eu a beijei.
Era o melhor momento da minha vida. Estava tudo perfeito.
Passaram-se 2 segundos. Nada podia estragar aquele momento.
5 segundos.
8 segundos.
De repente, Grover apareceu do nada, com duas enchiladas de queijo em cada mão.
-Percy, você vem comer enchiladas ou não ?
Então eu acordei.
Eu estava beijando um travesseiro, com Grover me olhando com cara de espanto.
-Percy, você tá bem, cara ?
Tudo foi um sonho. Annabeth não havia dito tudo aquilo. Eu não havia beijado ela.
-Hum, acho que sim.
-Ótimo. Então venha, eles fizeram enchiladas para o café da manhã.
Me troquei e fui para o refeitório. Annabeth estava conversando e rindo com seus irmãos filhos de Atena.
Ela me olhou e sorriu. Retribuí o sorriso.
Horas depois, quando entrei em meu chalé, percebi um bilhete em cima de minha cama. Estava escrito:
Eu te amo, Cabeça de Alga.

Agora a outra fanfic:

É o que espero!


Continuamos caminhando floresta adentro, eu e Annabeth. Já era noite, talvez um pouco tarde para estar ali, mas tudo bem. Com sorte, os outros campistas não nos notariam, uma vez que agora todos comiam e cantavam ao redor da fogueira.
-Não estamos longe – anunciou Annabeth.
Sinceramente eu nem sabia para onde estávamos indo, ela não dissera. Apenas me puxara um pouco a força para aquela caminhada. Não que eu tivesse feito muito esforço para não ir. Aquilo era absolutamente perfeito, apenas ela e eu. Como recusar? É claro que eu deveria estar preocupado com as Harpias, elas andavam livres por ali. Mas eu não conseguia me concentrar em nada mais do que a mão de Annabeth roçando na minha enquanto andávamos. Pensei em segurá-la, só que não queria arriscar estragar aquele bom momento. Tá, mentira eu dizer que prestava atenção SÓ nela. Com a outra mão eu segurava Contracorrente no bolso. Caso precisasse…
De repente ela parou.
-O que foi? – perguntei.
-Chegamos! Eu sinto que é aqui. Venha, ajude-me a afastar o mato.
Olhei para ela como se tivesse ficado louca. A nossa frente havia árvores cheias de musgo e plantas caídas sobre o chão, dando um ar bastante sinistro. Então minha amiga começou a andar de novo, enfiando-se no meio do matagal. Eu fui atrás, ainda cauteloso.
Então ela parou DE NOVO e arfou. Eu trombei em suas costas, quase a derrubando. Ela deu um passo para o lado e eu pude ver pelo que afinal tínhamos andado tanto. Ok, o lugar era lindo. Lindo não, maravilhoso. No meio da floresta, quem imaginaria uma clareira como aquela? Um lago muito azul brilhava bem no centro. Flores silvestres se espalhavam em pequenos buquês e um único bando de madeira escura reluzia em frente ao lago.
-Não é romântico? – suspirou Annabeth.
Não respondi, estava abobado demais. Ela me puxou pela mão até o banco e nós sentamos. Minha amiga começou a falar e eu, por mais que tentasse, não conseguia prestar atenção. Então ela ficou quieta e olhou para mim. Fitei seus cabelos, que lindamente ondulavam pelas suas costas. E por fim seus olhos. Como eram lindos aqueles olhos, cinzas e penetrantes. Só o luar iluminava-nos. Fiquei perdido apenas a admirando.
E então Annabeth foi se aproximando devagar. Fui para a frente também. Deixei minhas mãos atravessarem seu cabelo cuidadosamente e senti as dela acariciando minha nuca e cabeça. E então nossos lábios se juntaram e eu a beijei. Beijei como nunca antes, um beijo de verdade. Não sei quanto tempo passamos ali, mas com certeza foi minha melhor noite no Acampamento.
Quando nos afastamos, Annabeth abaixou a cabeça. Mesmo com tão pouca iluminação pude a ver corar. Olhei para frente, constrangido, e fitei os vagalumes que se destacavam na noite. Talvez por ser uma noite de verão, ou talvez não, tudo ficou quente. Eu estava suando. Muito.
-Desculpe, Percy – sussurou Annabeth.
-Pelo quê? – perguntei, pegando a mão dela.
Então ouvimos um barulho, como o de galhos quebrando. Ela puxou a mão, aparentemente assustada.
-O que foi isso?!
-Não sei. Vou ver… – começei a levantar.
Ela me empurrou sentado de volta.
-Prometa-me, prometa-me que não vai sair daqui, Percy.
E eu prometi. Mas não esperava que ela mesma fosse ver o que estava acontecendo. E não pude sair dali, querendo manter a promessa. Quinze minutos se foram. Talvez um pouco mais. Ouvi passos e Grover entrou na clareira. É, Grover. E estava rindo, rindo muito mesmo. Resmungava algo do tipo “Percy e Annabeth…” e dava gargalhadas sozinho. Depois que ele se acalmou, perguntei de minha amiga. Ele não sabia de nada e me convenceu, com muito esforço, a sair dali e voltar para o meu chalé. No meio do caminho, perguntei:
-Como sabia que eu estava ali?
-Te segui! Era um brincadeira!
Eu não falei mais nada, uma preocupação em mente. Será que Annabeth tinha me levado até lá só para ajudar Grover a pregar uma peça? Ou será que ela também fora vítima? Afastei esses pensamentos da cabeça. Tinha a sensação de que ela estava finalmente começando a gostar de mim. E, se isso fosse mesmo verdade, eu não tinha motivos pra preocupar-me, afinal, teríamos muitas outras chances e momentos como este. É o que espero, pelo menos…

Aqui está o site se vocês quiserem dar um visitada:

Beijos
Comentem

Comentários

  1. aiiiiiiiiiiiiiiiiiiii morri vou visitar esse site.................................................................................................te dollo por ter falado o site!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Aiai... lindoo!!! Tenho lido os livros da série, hj msm acabei o 4º livro e estou doida para comprar o 5º!!! Ainda ñ li esses trechos do livro que vc postou... são do 5º livro??
    Por favor, responda!

    ResponderExcluir
  3. Não são dos livros essas histórias...São fanfics, que são histórias feitas por fãs. Existem fanfics de seriados, livros, filmes, gibis...sobre muitas coisas!
    No submarino tá em promoção o ultimo olimpiano, olha lá! Os livros do PERCY são ótimos investimentos :D

    Estou querendo investir no livro Os herois do olimpo: o heroi perdido!!

    Ultimo olimpiano é otimoo! Vc vai amar!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  4. são exelentes histórias,muito criativas amei as duas,e morri de rir com a primeira!

    ResponderExcluir
  5. 0.0 pireiiiii!!! Quero o resto da história! Pelos Deuses esta muito fofo!! *-*

    ResponderExcluir
  6. ai que inveja da annabeth
    o percy e tao lindo

    ResponderExcluir
  7. VC DEVIA TER COLOCADO OQ TAVA NA CARTA!!!!!........

    ResponderExcluir
  8. Cade o resto filea?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente o que você achou dessa postagem! Eu ficaria muito grata de saber sua opinião!
"Posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo". Evelyn Beatrice Hall no livro The Friends of Voltaire. Smith, Elder & Co. 1906.

Não use:
-Palavrões;
-Desrespeito para com outras pessoas;
Podemos nos expressar sem utilizar essas coisas.
Obrigada!

Postagens mais visitadas deste blog